A Equipa de Coordenação da Bolsa de Terras acolheu no Ministério da Agricultura no passado dia 31 de Julho, uma delegação da CNJ para estabelecer linhas de cooperação mais efectivas na promoção do dispositivo lançado há dois anos pela Ministra Assunção Cristas.


É publicamente conhecida a visão que a CNJ tem sobre a Bolsa de Terras. Considera que a sua eficácia depende da efectiva ligação das operações de arrendamento e de venda a estratégias de desenvolvimento local e ainda do profundo envolvimento dos actores locais no enquadramento dos novos projectos dinamizados nos terrenos adquiridos ou arrendados.

Apesar desta opção de fundo sobre a matéria a Confederação entende que podem ser combinados mecanismos de divulgação imediata e de sensibilização dos agentes políticos e profissionais nas regiões e estabelecer uma ligação mais consistente nas acções nos territórios.

Neste termos foram acordadas, na reunião, linhas de coperação que serão traduzidas em acções concretas a agendar a curto prazo.